Entenda como ser um doador de medula óssea

A doação de medula óssea é importante para o tratamento de pacientes com doenças que comprometem a produção normal de células sanguíneas, como as leucemias, além de portadores de aplasia de medula óssea e síndromes de imunodeficiência congênita.


Para se tornar doador, é preciso fazer um cadastro no REDOME, o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea. Esse é o órgão que promove a busca de doadores no Brasil e nos registros estrangeiros.


É possível se cadastrar como doador voluntário de medula óssea também nos hemocentros localizados por todo o Brasil.


De acordo com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), apesar de o Brasil ser o 3º país do mundo em número de doadores, as cirurgias costumam demorar para acontecer, porque a chance de o paciente encontrar uma pessoa compatível é de uma em 100 mil. Esse dado reforça a importância de você se tornar doador, aumentar a variedade de perfis genéticos no banco, promover a ampliação das chances de compatibilidade entre as pessoas, e assim fazer com que o transplante continue salvando vidas.


Para doar, você precisa:

✅ Ter entre 18 e 55 anos de idade.

✅Estar em bom estado geral de saúde.

✅Não ter doença infecciosa ou incapacitante.

✅Não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico.

✅Algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.






3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Você já deve ter ouvido falar da Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD (n° 13.709), que entrou em vigor em 14/08/2020. A Lei estabelece diretrizes importantes e obrigatórias para a coleta, processamen